mergulhao-4

Programa Terra da Gente 

Terra da Gente acompanha o trabalho dos pesquisadores do Terra Brasilis com o o pato-mergulhão, ave ameaçada de extinção, na Serra da Canastra

Confira o vídeo com a reportagem completa, exibida neste sábado, dia 12/08: https://goo.gl/wCYRZv

*Matéria publicada no Portal do G1 - Terra da Gente

Ovos de pato-mergulhão são coletados para garantir a sobrevivência da espécie

Terra da Gente acompanha o trabalho de pesquisadores na coleta de ovos de pato-mergulhão, ave ameaçada de extinção, na Serra da Canastra

A equipe do Terra da Gente vai à Serra da Canastra, em Minas Gerais, para acompanhar de perto o trabalho de pesquisadores na preservação de uma das aves aquáticas mais ameaçadas do mundo, o pato-mergulhão. Estima-se que existam apenas 250 indivíduos na natureza.

Há 16 anos, estudiosos do Instituto Terra Brasilis dedica-se ao trabalho de encontrar ninhos da espécie pelo Cerrado. O grupo não mede esforços para alcançar o objetivo. A pé, de carro ou a remo, os pesquisadores vão a campo.

Quem também auxilia nesta operação é Alexandre Resende, biólogo do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).
Na Serra da Canastra, a meta é encontrar o ninho, coletar os ovos e levá-los para a criação em cativeiro. Essa intervenção do homem é necessária para garantir a segurança, preservar a espécie e evitar que seja extinta. A intenção é que futuramente as aves sejam reintroduzidas na natureza.

O trabalho não é nada fácil. O pato-mergulhão costuma construir o ninho em barrancos. Técnicas de rapel são colocadas em prática para fazer a retirada dos ovos. Nos ninhos, os pesquisadores analisam as condições dos ovos, para posteriormente transferirem a uma chocadeira portátil e realizarem outro exame.

Alexandre já fez este mesmo trabalho no Parque Estadual do Jalapão, em Tocantins. O biólogo e outros seis pesquisadores navegaram com botes infláveis pelo rio Novo à procura de ninhos. Por sorte, a equipe encontrou o ninho e realizou com sucesso a coleta dos ovos, que posteriormente foram levados de avião até Palmas e encaminhados a Itatiba, no interior de São Paulo.

Recentemente, um feito histórico foi registrado. Pela primeira vez, os casais trazidos para Itatiba procriaram no ZooParque e filhotes de pato-mergulhão nasceram em cativeiro.

Os ovos que não foram retirados do ninho também são monitorados por biólogos. Em registros pessoais, é possível ver o primeiro voo dos filhotes.

Originalmente publicada no site do G1 - Terra da Gente: http://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/terra-da-gente/noticia/ovos-de-pato-mergulhao-sao-coletados-para-garantir-a-sobrevivencia-da-especie.ghtml

(Foto: Jefferson Barbosa/TG)

Compartilhar