Notícias

 

tiradentes serra

Serra de São José

A primeira e única reserva para libélulas no Brasil tem sua lista de espécies publicada

Acaba de ser publicado o trabalho liderado pelo biólogo Lúcio Bedê, Coordenador de Projetos do Instituto Terra Brasilis, realizado em parceria com o Professor Angelo Machado, da UFMG, e os biólogos Werner Piper e Marcos de Souza sobre a lista de espécies de libélulas da Serra de São José, MG.

O trabalho, publicado na Revista especializada Notulae odonatologicae, traz os resultados de levantamentos da fauna de libélulas feito por esses profissionais na região, que abrange partes dos municípios de Tiradentes, São João Del Rei, Santa Cruz de Minas, Coronel Xavier Chaves e Prados.

Foi a partir dos resultados de um levantamento da fauna de libélulas, feito por esses profissionais na Serra de São José e entorno – municípios de Tiradentes, São João Del Rei, Santa Cruz de Minas, Coronel Xavier Chaves e Prados – que o Instituto Estadual de Florestas (IEF-MG) decidiu criar na região, em 2004, o ‘Refúgio de Vida Silvestre Libélulas da Serra de São José’. Desde então, esforços complementares de levantamento de espécies de libélulas foram realizados na região, alcançando a marca de 128 espécies.

O Instituto Terra Brasilis participou ativamente da proposta de criação dessa unidade de conservação, que tem como principais objetivos a proteção dos importantes mananciais hídricos da Serra de São José e sua biodiversidade.

A Serra de São José está entre as áreas mais ricas em libélulas já inventariadas no Brasil e no mundo, apesar de seu tamanho relativamente pequeno: 3.720 hectares. O motivo dessa elevada riqueza, acreditam os autores do trabalho, é a variedade de habitats úmidos que a Serra abriga.

Localizada em uma área de contato entre o Cerrado e a Mata Atlântica, e com a presença de formações de campos rupestres em áreas que alcançam mais de 1.400 m de altitude, o Refúgio abriga uma grande variedade de ambientes úmidos – como brejos, córregos, rios, lagoas marginais e açudes, em diferentes contextos ambientais. Em uma das áreas de mata mais conservadas da Serra, onde fica a nascente do chafariz da cidade de Tiradentes, os pesquisadores descobriram ainda uma espécie de libélula nova para a ciência, que, em homenagem à cidade, recebeu o nome de Heteragrion tiradentense.

O Refúgio de Vida Silvestre Libélulas da Serra de São José foi a primeira unidade de conservação criada para a proteção de libélulas no Brasil. Refúgios como esse são populares no Japão, onde as libélulas tem um importante significado cultural, mas são ainda raros em todo o mundo – na Europa há refúgios para libélulas criados na Escócia, Holanda e Finlândia.

Além de participar da criação do Refúgio, o Instituto Terra Brasilis também trabalhou na criação e implantação de dois centros de visitação permanente: a Casa das Águas, em Tiradentes (Águas Santas), onde é apresentada a geodiversidade da Serra de São José, sua formação, testemunhos de sua história geológica e seus recursos minerais – comopor exemplo a sua fonte de água mineral, e a Casa da Serra, em Prados (Pinheiro Chagas), que tem como grande destaque a fauna de libélulas, além dos temas relacionados ao meio físico, a biodiversidade e aos biomas ali representados. As mostras exploraram aspectos gerais da paisagem natural do refúgio e enfatizam a relação das libélulas com os seus habitats: as libélulas são consideradas importantes indicadoras da saúde dos ecossistemas aquáticos, como córregos, rios, lagoas e açudes.

Fotografia de capa: Libélula - Marcos Magalhães

Referência:

Bedê, L.C.; Machado, A.B.M.; Piper, W. & de Souza, M.M. 2015. Odonata of the Serra de São José – Brazil’s first Wildlife Reserve aimed at the conservation of dragonflies
Notulae odonatologicae 8(5): 117-127.

Compartilhar

 

 

decisao consciente

Instituto Terra Brasilis lança Campanha Decisão Consciente

A ação é voltada para profissionais dos setores público e privado, que participam de decisões referentes a atividades impactantes ao meio ambiente

O Instituto Terra Brasilis, como parte do projeto Pato Aqui, Água Acolá, patrocinado pela Petrobras, lança a campanha Decisão Consciente, que busca sensibilizar profissionais de instituições responsáveis por licenciamentos ambientais, por autorizações de obras, do setor turístico ou de qualquer outra atividade potencialmente impactante ao meio ambiente, que possam ameaçar a boa qualidade da água, e consequentemente o hábitat do pato-mergulhão, uma das dez aves aquáticas mais ameaçadas de extinção no mundo. Com foco na Serra da Canastra, a ação contará com palestras e reuniões, além da distribuição de materiais informativos, de um vídeo sobre o pato-mergulhão e ações que são desenvolvidas para sua conservação e um DVD com uma seleção das principais leis ambientais brasileiras.

Segundo a presidente do Instituto Terra Brasilis, Sônia Rigueira, a campanha é voltada para empresários, políticos, conselhos de meio ambiente, bem como outros setores da economia, como o de Turismo, que de alguma forma, possam participar ou desenvolver atividades que impactem o meio ambiente. A maior ameaça ao pato-mergulhão é proveniente da destruição de seu hábitat, que são rios de águas limpas, com corredeiras e vegetação em suas margens, por isso é fundamental que estes tomadores de decisão, dos mais variadas setores, estejam bem informados quanto à espécie e as principais ameaças à sua conservação.

“O pato-mergulhão é uma ave aquática rara, ameaçada de extinção e que tem na Serra da Canastra um dos últimos refúgios no planeta. Por ser muito sensível à degradação do meio em que vive, a alteração de seu habitat pode fazer com que a espécie desapareça para sempre”, explica Sônia.

Programa Pato-Mergulhão

Desde 2001, o Instituto Terra Brasilis desenvolve inúmeras ações para garantir a conservação da espécie na região, baseadas em três eixos:

• Pesquisa científica e monitoramento – cujo objetivo é conhecer melhor a biologia da espécie, bem como suas áreas de ocorrência, aspectos comportamentais, reprodutivos, dentre outros, que possam subsidiar ações de manejo e conservação.

• Educação ambiental e comunicação – diversas ações são desenvolvidas para públicos diferentes (escolar, produtores rurais e setor turístico, entre outros), apresentando temas relacionados à manutenção do ecossistema, em especial os recursos hídricos, fundamental para a sobrevivência do pato-mergulhão e para a melhoria da qualidade de vida da população em geral.

• Sustentabilidade rural - com o objetivo minimizar as ameaças à sobrevivência da espécie, impactada diretamente pelo assoreamento de rios e poluição, são desenvolvidas ações que promovem melhores práticas de uso da terra pelo produtor rural, como cercamento de nascentes e áreas ciliares, e a adequação ambiental de uma propriedade rural.

Compartilhar

 

decisao consciente

Instituto Terra Brasilis lança Campanha Decisão Consciente

A ação é voltada para profissionais dos setores público e privado, que participam de decisões referentes a atividades impactantes ao meio ambiente

O Instituto Terra Brasilis, como parte do projeto Pato Aqui, Água Acolá, patrocinado pela Petrobras, lança a campanha Decisão Consciente, que busca sensibilizar profissionais de instituições responsáveis por licenciamentos ambientais, por autorizações de obras, do setor turístico ou de qualquer outra atividade potencialmente impactante ao meio ambiente, que possam ameaçar a boa qualidade da água, e consequentemente o hábitat do pato-mergulhão, uma das dez aves aquáticas mais ameaçadas de extinção no mundo. Com foco na Serra da Canastra, a ação contará com palestras e reuniões, além da distribuição de materiais informativos, de um vídeo sobre o pato-mergulhão e ações que são desenvolvidas para sua conservação e um DVD com uma seleção das principais leis ambientais brasileiras.

Segundo a presidente do Instituto Terra Brasilis, Sônia Rigueira, a campanha é voltada para empresários, políticos, conselhos de meio ambiente, bem como outros setores da economia, como o de Turismo, que de alguma forma, possam participar ou desenvolver atividades que impactem o meio ambiente. A maior ameaça ao pato-mergulhão é proveniente da destruição de seu hábitat, que são rios de águas limpas, com corredeiras e vegetação em suas margens, por isso é fundamental que estes tomadores de decisão, dos mais variadas setores, estejam bem informados quanto à espécie e as principais ameaças à sua conservação.

“O pato-mergulhão é uma ave aquática rara, ameaçada de extinção e que tem na Serra da Canastra um dos últimos refúgios no planeta. Por ser muito sensível à degradação do meio em que vive, a alteração de seu habitat pode fazer com que a espécie desapareça para sempre”, explica Sônia.

Programa Pato-Mergulhão

Desde 2001, o Instituto Terra Brasilis desenvolve inúmeras ações para garantir a conservação da espécie na região, baseadas em três eixos:

• Pesquisa científica e monitoramento – cujo objetivo é conhecer melhor a biologia da espécie, bem como suas áreas de ocorrência, aspectos comportamentais, reprodutivos, dentre outros, que possam subsidiar ações de manejo e conservação.

• Educação ambiental e comunicação – diversas ações são desenvolvidas para públicos diferentes (escolar, produtores rurais e setor turístico, entre outros), apresentando temas relacionados à manutenção do ecossistema, em especial os recursos hídricos, fundamental para a sobrevivência do pato-mergulhão e para a melhoria da qualidade de vida da população em geral.

• Sustentabilidade rural - com o objetivo minimizar as ameaças à sobrevivência da espécie, impactada diretamente pelo assoreamento de rios e poluição, são desenvolvidas ações que promovem melhores práticas de uso da terra pelo produtor rural, como cercamento de nascentes e áreas ciliares, e a adequação ambiental de uma propriedade rural.

Compartilhar